Coca-Cola : visita da fábrica em Grigny

Diversão durante uma pausa refrescante
Diversão durante uma pausa refrescante

O dia amanheceu ensolarado e o céu azul da primavera anunciava uma bela jornada. As 09h da manhã, meu filho e eu chegamos ao ponto de encontro em Porte d’Orléans, de onde partimos – de ônibus privativo – para visitar a fábrica da Coca-Cola em Grigny, a 25 minutos ao sul de Paris.

Éramos cerca de 40 pessoas, entre simples consumidores e alguns colecionadores da marca, selecionados para uma visita que nunca tinha sido realizada. Acompanhados por uma equipe multidisciplinar composta de chefes de produção a responsáveis marketing, iríamos conhecer uma parte do ciclo de fabricação dos refrigerantes, aos pés das máquinas industriais em funcionamento.

Mil pessoas visitam esta fábrica todo ano, mas até então ninguém se aproximou da linha de produção como nós! Nossos predecessores tinham a autorização apenas de observar à distância – instalados em passarelas protegidas por grandes paredes de vidro. Esse privilégio fazia parte dos eventos que aconteceram em toda a França durante a Semana da Indústria (19-26 mars).

Pra fechar com chave de ouro, tivemos a oportunidade de testar em avant-première a nova máquina que se chama Freestyle (leia abaixo).

A fábrica de Grigny

Chegada ao site da Coca-Cola em Grigny
Chegada ao site da Coca-Cola em Grigny

Localizada às margens da A6, conhecida como “autoroute du soleil” – rodovia do sol – por ligar Paris ao sul da França, a fábrica de Grigny foi inaugurada em 1986. Apresentada como a mais bela das cinco usinas da Coca-Cola na França, ela ocupa um prédio em forma de W, imaginado pelo mesmo arquiteto que criou o Parc des Princes (estádio de futebol do Paris Saint Germain – PSG).

O hall de entrada do site de Grigny dispõe de uma vidraça imponente, com as cores da marca e a inconfundível forma da garrafa “Contour” que simboliza o refrigerante há mais de um século. Entre amostras de embalagens ao longo das décadas e antigas máquinas de distribuição de refrigerante, uma grande escadaria leva ao andar de cima onde éramos esperados.

Um café da manhã de boas vindas & visita do museu Coca-Cola

Fomos acolhidos na fábrica por um café da manhã de boas vindas, com direito aos clássicos dos petits déjeuners franceses como croissants, pains au chocolat (pães com chocolate), pains au raisin (rosquinhas com uvas passas), regados de bebidas quentes e sucos de frutas.

Em seguida tivemos acesso a um espaço onde inúmeros objetos ligados à marca são expostos, como materiais publicitários do início do século 20, ou ainda objetos de coleção. A história da marca estava representada ali, deixando ver as evoluções, não apenas das embalagens dos produtos, mas também da estratégia de marketing da Coca-Cola.

Normas de segurança

Com meus equipamentos de proteção
Com meus equipamentos de proteção

Antes de entrar nos locais da empresa, foram dadas explicações sobre as normas de segurança que devem ser respeitadas neste ambiente industrial que funciona 7 dias por semana, 24h por dia.

Após o café da manhã de boas vindas, todos fomos equipados de blusas, coletes fluorescentes, proteções para cabelos, capacetes, calçados de segurança. Além disto, fones de ouvido tinham a função de reduzir o barulho das máquinas e facilitar a escuta das explicações dadas pelos acompanhadores.

Linhas de produção & capacidade da usina

Linha de produção Coca-Cola em Grigny
Linha de produção Coca-Cola em Grigny

A visita acompanhada pelo coração da fábrica, que são as linhas de produção, levou cerca de 1h, durante a qual pudemos ver as máquinas e os funcionários em ação. Estes pareciam ser poucos para o tamanho da fábrica e as quantidades produzidas : 30 mil garrafas PET de 1,5l e 120 mil latinhas por hora!

Este (pequeno) numéro de empregados se explica pelo fato de a usina ser fortemente automatizada. Somado a isso, nossa visita aconteceu durante um fim de semana em que a fabricação de latinhas estava desativada. Seja como for, sempre há pelo menos 100 pessoas no site.

A fórmula da Coca-Cola

Sem surpresas, não saímos de lá com a fórmula secreta da Coca-Cola. Chamada de 7X, sendo X o número de ingredientes que compõem o famoso refrigerante, a fórmula é secreta – claro – mas nem tanto quanto diz a lenda (apenas 4 pessoas no mundo conheceriam a tal fórmula, que estaria guardada a 7 chaves em um cofre em Atlanta).

Tudo o que soubemos foi que a receita da Coca-Cola é exatamente a mesma no mundo inteiro, o que confere uma homogeneidade ao produto onde quer que a gente vá. Mesmo o tratamento da água é o mesmo no mundo inteiro.

A idéia que tínhamos na minha família, de que a Coca-Cola francesa tinha menós gás que a brasileira, não se justifica. Entretanto, uma diferença de gosto pode ser percebida, mas isto é devido ao tipo de açúcar utilizado : no Brasil, açúcar de cana, na França, açúcar de beterrava (e aparentemente no Reino Unido seria açúcar de milho).

Reciclagem & economia circular

Preforma : antecessores das garrafas PET
Preforma : antecessores das garrafas PET

Cerca de 50% das garrafas PET são recicladas na França. O restante ou é incinerado com o lixo doméstico, ou infelizmente é jogado na natureza.

Partindo do princípio da economia circular (uma garrafa que se tornara novamente garrafa após tratamento), a fábrica de Grigny produz suas próprias embalagens PET (900 mil por dia!), que contêm pelo menós 30% de plástico reciclado .

Antes de se tornar garrafa na forma que conhecemos e compramos no mercado, Grigny produz o que chamam de preforma, que é um tubinho de plástico. Ele será colocado em uma forma, será aquecido a 300 graus e um sopro de ar o fará inflar e tomar o formato da garrafa que será rapidamente resfriada e depois receberá o refrigerante.

Questões / respostas, buffet & ateliês

Após a visita comentada, fizemos uma pausa para questões / respostas, para descobrir um pouco mais sobre a marca que nos é tão familiar. Qual é a época em que se vende mais Coca-Cola na França? Natal. A Coca-Cola inventou o Papai Noel? Não, ele já existia, mas não tinha uma forma bem definida (podia por exemplo ser representado vestido de verde, etc.). A partir de uma publicidade da Coca-Cola divulgada no mundo inteiro, a imagem do Papai Noel vestido de vermelho ficou gravada nas memórias. E assim por diante, todo mundo pôde tirar suas duvidas.

Uma pausa convivial para o almoço anunciava que o fim do dia se aproximava. Antes disto, participamos de ateliês com visitas em realidade virtual ou ainda desgustação de refrigerantes às cegas.

Coca-Cola Freestyle

Coca-Cola Freestyle
Coca-Cola Freestyle

Pra completar, tivemos um acesso em “avant-première” a uma máquina inovante: Coca-Cola Fresstyle – só existem duas por enquanto na França. Cada um de nós pôde compor seu próprio refrigerante a partir das opções mostradas em uma máquina interativa. Quer Coca-Cola com baunilha? É possível ! Quer Coca-Cola com framboesa? É possível ! E Sprite com cereja…

Conclusão

Voilà como passamos um agradável dia com as equipes da Coca-Cola na fábrica de Grigny. Meu filho gostou muito de ver de perto o funcionamento de uma indústria e toda a sequência de produção de um produto que ele conhece. Eu gostei de participar de uma atividade que sai do ordinário e achei ótimo poder conversar com as equipes disponíveis para tirar dúvidas e explicar seu trabalho (alguns estão na empresa há 28 anos).

Entre as outras pessoas que participaram, ouvi alguns dizendo que esta visita foi um sonho realizado, já que são apaixonados por automação. Para todos, acredito que foi um passeio que ficará na memória.

Saiba mais

Site da Coca-Cola France

Sobre Angélica Galvão 36 artigos
Sou uma brasileira que vive na França há 10 anos e que tem sede de novos conhecimentos e novas experiências, com o intuito de compartilhá-los. Mamãe de dois lindos garotos, companheira, filha, irmã, amiga, engenheira em informática e sistemas de informação (TI), blogger nas horas vagas :-)

Comente pelo Facebook

4 Comentários

  1. Pena que na França (e muito menos no Brasil!) não tem a fanta de abacaxi – conheci em Portugal como “Fanta Ananás”, e da ultima vez que estive em Paris comprei numa banca de feira de uns portugueses…
    Confesso que nunca senti diferença no sabor da coca daí e na daqui…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*